O uso do Whatsapp nas eleições municipais em Imperatriz é tema de dissertação da estudante Luana Fonseca

As mídias sociais e os aplicativos de mensagem têm ocupado um lugar cada vez mais significativo no debate público e político. Candidatos e políticos utilizam esses espaços para divulgação dos conteúdos, propostas de campanha e afins. Nas últimas eleições presidenciais, em 2018, o aplicativo de mensagens WhatsApp foi um dos principais pilares para as campanhas eleitorais, ocupando espaço relevante no compartilhamento de informações em grupos criados por apoiadores e opositores dos candidatos. Nas eleições municipais de 2020, o cenário também foi semelhante.

Este papel ocupado pelo Whatsapp no cenário eleitoral despertou o interesse da estudante Luana Fonseca que, durante o mestrado, está devolvendo sua pesquisa com o objetivo de entender o aplicativo de mensagens como protagonista no disparo de informações políticas e propaganda dos candidatos. “O meu trabalho busca analisar os conteúdos compartilhados em grupos de WhatsApp durante as eleições de Imperatriz. Quis observar o aplicativo e os conteúdos compartilhados numa eleição regional. Os meus objetivos são descrever os dados obtidos e, através deles, elencar se a participação do WhatsApp foi efetiva para os candidatos regionais”, destaca.

Luana Fonseca discute sobre notícias compartilhadas em grupos do Whatsapp durante as eleições municipais (Créditos: Arquivo Pessoal)

Luana ressalta sobre a relevância de entender como os candidatos usam os recursos da internet e quais as estratégias são utilizadas em contextos regionais. “É importante trabalhar sob a perspectiva regional para entendermos como a política foi instaurada ao longo do tempo e de que maneira ela é ativa nos espaços online”, comenta.

A estudante afirma que o desejo de se aprofundar os estudos na área da comunicação política vem desde a graduação, ao integrar o grupo de pesquisa Comunicação, Política e Sociedade (COPS). “Meus dois últimos anos da graduação foram dedicados a pesquisar a campanha permanente do atual governador do Maranhão, Flávio Dino (PSB), e pelas candidatas que concorreram a diferentes cargos nas eleições de 2018” e com o desenvolvimento das pesquisas, participação em congressos e publicações de artigos, o interesse pela área foi aumentando cada vez mais.

As pesquisas realizadas na área a instigaram, então, a investigar outros fenômenos de forma mais aprofundada durante o mestrado. “Com a minha pesquisa, vejo que há muito o que debater principalmente sobre assuntos relacionados à desinformação durante as eleições e o uso dos espaços online para a promoção positiva do candidato. As orientações com a minha orientadora, a Prof. Dra. Isabele Mitozo, também ajudam a questionar outros fatores importantes que devem ser discutidos pela academia, principalmente no momento de descrédito das instituições jornalísticas que estamos enfrentando”, ressalta.

Desafios em meio à pandemia

Apesar dos desafios da pandemia terem coincidido com o início do período letivo, as expectativas com a pós-graduação foram alcançadas. “Eu não imaginava que teria tantas oportunidades, mas confesso que com a pandemia não é fácil. Meu mestrado todo foi online e não é fácil enfrentar certos obstáculos, mas graças ao corpo docente me sinto preparada para ser uma boa pesquisadora. Vejo que a pesquisa que propus ao Programa está em ótimo desenvolvimento graças aos ensinamentos e contribuições do meu grupo de pesquisa e da minha orientadora. Diante de dois anos difíceis, posso dizer que colhi ótimos frutos”, finaliza.

Quer conhecer mais sobre as pesquisas desenvolvidas pela mestranda Luana Fonseca? Clique aqui.

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
EnglishFrenchPortugueseSpanish