Do PET à carreira como professora universitária, Roseane Arcanjo se aproximou da pesquisa desde a graduação

Texto: Janaina Amorim

“Interpretar a realidade e escrever sobre ela”. Foram essas as possibilidades da profissão que atraíram a professora Roseane Arcanjo Pinheiro para a área de jornalismo. “O Curso de Jornalismo foi uma escolha marcante, considero um dos períodos mais ricos e intensos que vivi: conhecer muitas formas de conhecimentos, ver professores dedicados, fazer amizades que duram até hoje”, lembra. A professora já experimentou várias áreas da profissão, desde o impresso, assessoria e pesquisa.

Ela entrou no curso aos 19 anos, na Universidade Federal do Amazonas (UFAM), onde também conquistou o título de Especialista em Metodologia do Ensino Superior. O contato com a pesquisa aconteceu ainda na graduação, quando Roseane participou do grupo PET, que na época era a abreviação de Programa Especial de Treinamento e hoje é Programa de Educação Tutorial (PET). Foi nesse grupo que Roseane conquistou em um congresso da Intercom em Londrina_PR, um prêmio nacional por um projeto de pesquisa, o Prêmio Vera Giangrande.

O objetivo profissional da professora, de início, era viver o dia a dia da redação e seus desafios. Por isso, logo depois da graduação trabalhou como repórter em um jornal impresso de Manaus chamado Jornal Amazonas em Tempo. Porém, sem perder a carreira acadêmica de vista.

Em 1999, Roseane se muda para São Luís, onde continuou a trabalhar como jornalista em veículos impressos e assessorias de comunicação. Entre os locais nos quais ela trabalhou está O Imparcial, onde foi editora de cadernos especiais e na Associação do Ministério Público (AMPEM), foi assessora de comunicação. Segundo ela, essas foram atividades que a “ajudaram a amadurecer como jornalista e cidadã.”

O desejo pela pesquisa pulsou forte e em 2005 ela inicia o Mestrado em Comunicação na Universidade Metodista de São Paulo. “Havia voltado aos congressos da Intercom, onde tinha feito contato com o professor José Marques de Melo. Após ser aprovada, me tornei orientanda dele, o que foi um momento muito especial. Me mudei para a cidade de São Bernardo do Campo-SP, onde morei por um ano para as aulas do Mestrado”, conta.

Durante toda sua trajetória acadêmica desenvolveu pesquisas relacionadas a memória e jornalismo. Em Manaus, na Graduação, estudou à história da imprensa em Manaus, especialmente nos anos 60 e 70, durante a ditadura militar No Mestrado, se dedicou a chegada dos jornais impressos no Maranhão nos séculos XIX e XX. Em 2007, com a conquista do título de Mestre volta a dar aulas e foi aprovada no concurso da Universidade Federal do Maranhão no Campus de Imperatriz, em 2008. Aqui, Em Imperatriz, o foco foi a história do jornalismo local, desde os anos 30 e 40 do século XX, área que segundo Roseane, “havia poucos trabalhos de cunho científico.

Entre as dificuldades, a professora aponta o fato de ser um curso novo e, por isso, com pouca estrutura. “Entre os desafios enfrentados foi estar em um curso novo e em desenvolvimento, na época ainda carente de infraestrutura e com acesso a poucos recursos financeiros. O corpo de professores se dedicou para superar essas questões e ainda tem feito isso. Hoje, 12 anos depois, temos avanços – um corpo de professores muito qualificado; organizamos a pós-graduação (especialização e PPGCOM) e melhoramos na infraestrutura, embora ainda precisamos renovar mais equipamentos”, afirmou.

Roseane Arcanjo em reunião com Grupo de Pesquisa na UFMA de Imperatriz

Hoje, Roseane Arcanjo é Doutora em Comunicação pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS) e coordena o Grupo de Pesquisa Jornalismo, Mídia e Memória, que completou 5 anos em 2020. De acordo com ela, o grupo conta com alunos do Curso de Jornalismo, do PPGCOM, mestres, mestrandos, doutorandos e parceiros de outros programas

E entre as coisas boas da pesquisa, ela aponta a possibilidade de incentivar o olhar o crítico e apontar novos caminhos. “Por meio das ações e projetos científicos, podemos incentivar um olhar crítico sobre a vida, mostrar a possibilidade que cada um tem de transformar sua vida: podem se tornar jornalistas, assessores ou professores e produzir um serviço para a sociedade. O conhecimento científico sempre começa a partir de uma pergunta, fazer pesquisa é buscar uma solução, acreditar que podemos agir diante das dificuldades e podemos apontar novos caminhos”, finalizou.

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
EnglishFrenchPortugueseSpanish