Revista Internacional de Folkcomunicação

Qualis: B3

Dossiê/Tema: A cultura no contexto da pandemia de Covid-19

Prazo: 21 de outubro de 2021

Titulação:  mestrando(a)s em coautoria com doutore(a)s

Objetivo: Desde o início da pandemia da Covid-19, o mundo todo vivenciou impactos econômicos e socioculturais que atingiram as pessoas de diferentes maneiras. A crise sanitária tornou mais evidentes as desigualdades sociais, acirrou a crise econômica e política e impôs a experiência do distanciamento social. O setor da cultura foi um dos mais afetados, registrando fechamento de postos de trabalho, refluxos em toda cadeia produtiva e suspensão de atividades culturais. É em meio a esse contexto que interessa refletir sobre os impactos, transformações e experiências em torno da cultura, de modo a evidenciar as contribuições da folkcomunicação para o conhecimento acerca da realidade atual. Com esse propósito, a Revista Internacional de Folkcomunicação lança um convite para a submissão de artigos e ensaios que tematizam a cultura em tempos de crise pandêmica. A edição contempla eixos temáticos que podem ser organizados como reflexões conceituais, relatos de experiência e análises folkcomunicacionais que compreendem os seguintes aspectos: adaptações e transformações vivenciadas nas manifestações culturais; economia da cultura e políticas culturais; agentes e ações culturais no processo de apropriação tecnológica; economia criativa e as relações com a cultura local e regional; tradições populares e novas formas de celebração; bem como outras abordagens envolvendo estudos e investigações que relacionam a cultura e a (folk)comunicação na pandemia.

Mais informaçõeshttps://revistas.uepg.br/index.php/folkcom/announcement/view/430

 


Revista de Estudos Universitários

Qualis: B2

Dossiê/Tema: Religião nas Mídias

Prazo: 30 de outubro de 2021

Titulação:  mestrando(a)s em coautoria com doutore(a)s

Objetivo: A religião, nos dias atuais, acolhe os seus seguidores envolvendo as mais diversas mídias. Ou seja, a religião passa por processos de midiatização e, ao mesmo tempo, não escapa aos contornos impostos pelas práticas sociais das sociedades de consumo. Escolhendo esta interface entre comunicação e religião, desenhada pelas mídias, convidamos pesquisadores de diversas áreas do conhecimento, a tratar tema da comunicação religiosa, envolvendo principalmente discursos de líderes religiosos veiculados nas diferentes mídias. Assim, a Revista de Estudos Universitários (REU) faz-se um espaço para pesquisas que tratem do aspecto midiático que a divulgação/disseminação da religião passa a incorporar, ou para investigações que contemplem análises dos produtos midiáticos que envolvem concepções e práticas religiosas, ou ainda, pesquisas que tratem dos efeitos das tecnologias digitais e da lógica do consumo sobre as práticas socioculturais ligadas às religiões, às religiosidades, entre outras possibilidades

Mais informações: http://periodicos.uniso.br/ojs/index.php/reu/announcement/view/44 

 


Contracampo

Qualis: B1

Dossiê/Tema: Corpo, Violência e Trauma nas dobras do Sul Global

Prazo: 1 de novembro de 2021

Titulação: mestrando(a)s em coautoria com doutore(a)s

Objetivo: Em artigo recente, Vladimir Safatle (2021) alerta para o fato de que o marco inaugural do século XXI não teria sido o 11 de setembro, mas sim a autoimolação de Mohamed Bouazizi, na Tunísia, em 2010. Para Safatle, o gesto de Bouazizi teria inaugurado uma revolução molecular centrada no corpo, o que, segundo o filósofo brasileiro, é já uma das marcas do século que hoje atravessamos. O dossiê Corpo, Violência e Trauma nas dobras do Sul Global toma como mote este episódio individual e particular protagonizado pelo feirante tunisiano – que também teria desencadeado a Primavera Árabe – com o objetivo de colocar em pauta a discussão sobre estratégias e táticas que temos encontrado para habitar o século XXI. A partir da tríade corpo/violência/trauma, nossa sugestão é pensar essa revolução molecular, que tem assombrado e transformado a geopolítica mundial, como territorialmente localizada nas dobras do Sul Global, chamando atenção para o que tem se tornado visível nos campos das artes e das imagens. Nossa indagação diz respeito aos modos como essas práticas e intervenções midiáticas e artísticas têm gerado espaços de confronto em relação ao que Suely Rolnik (2019) chama de “inconsciente colonial-capitalístico”. Dessa forma, este dossiê busca compreender a economia política da violência e do trauma na contemporaneidade como uma linguagem corpórea, ressignificada nas e pelas práticas artísticas e visualidades midiático-comunicacionais, que atuam como formas de (cor)responder ao complexo estrutural colonial-capitalístico que produz modos de ser nas territorialidades do sul (global). Interessa-nos, assim, acolher contribuições bibliográficas e não bibliográficas, ensaísticas e/ou visuais que interroguem a comunicação e a arte em sua potência de encenar e perturbar a violência do aparato jurídico-político do estado moderno-colonial ocidental, levando em conta sua gênese na história das pilhagens e dos genocídios que o estruturam. Tendo em vista as abordagens transdisciplinares, este dossiê abarca os campos da comunicação e das artes em suas diversas linguagens: mídia, literatura, cinema, artes visuais, artes performativas, entre outras. Convidamos e encorajamos visões analíticas, reflexões teóricas e propostas metodológicas transdisciplinares a partir dos eixos abaixo elencados (mas não somente):

Mais informaçõeshttps://periodicos.uff.br/contracampo/announcement/view/547

 


Mídia e Cotidiano

Qualis: A4

Dossiê/Tema: Cenários midiáticos no pós-pandemia: rupturas e continuidades

Prazo: 3 de novembro de 2021

Titulação: mestrando(a)s em coautoria com doutorando(a)s ou doutore(a)s

Objetivo: A pandemia de Covid-19 provocou rupturas em amplos aspectos de nossa experiência cotidiana: nos modos de produzir e consumir informação, de trabalhar, de aprender e de nos entretermos. Toda a nossa existência passou a ser mediada por telas e as tecnologias passaram a ter um papel central nas nossas vivências, marcando nossas interações sociais e criando novos regimes de sociabilidade. Os impactos da vastidão da territorialidade digital contemporânea já são sentidos. A plataformização, a dataficação, a desinformação e o negacionismo trouxeram consequências para a sociedade e fizeram com que diversos segmentos refletissem sobre esses fenômenos que também têm afetado diferentes áreas do conhecimento, como a comunicação, o jornalismo e a ciência. No Brasil, pela primeira vez, o consumo de informações pelas redes sociais superou o da TV aberta, revelou o Digital News Report 2020, do Reuters Institute for the Study of Journalism (Oxford University), levantando a urgência da necessidade da educação midiática no país. A aceleração do uso dos algoritmos, da inteligência artificial e do Big Data, observada nos produtos midiáticos, trazem novos desafios práticos e éticos para comunicadores no século XXI. O entretenimento, atravessado e estruturado pelas mídias, também não escapou da aceleração digital: assiste-se à uma multiplicação de plataformas de streaming de áudio e de vídeo, impactando o campo da cultura. Este dossiê temático espera discutir cenários que já começam a emergir no pós-pandemia, mais especificamente nas experiências midiáticas. Quais serão as rupturas e continuidades que já podem e poderão ser percebidas na produção, consumo, distribuição, circulação e recirculação dos produtos midiáticos? Se a nossa experiência cotidiana é atravessada pelas mídias, qual papel elas desempenharão nesse contexto de hibridização que já começa a se vislumbrar? A Revista Mídia e Cotidiano convida pesquisadores interessados nesses temas para apresentarem trabalhos para o dossiê temático “Cenários midiáticos no pós-pandemia: rupturas e continuidades”, que contribuam de forma empírica, teórica ou metodológica, e que ampliem o conhecimento em torno da temática. Os artigos podem abordar diferentes aspectos da comunicação, da mídia, do jornalismo, do entretenimento, das redes sociais e videogames, publicidade e marketing, relações públicas, dentre outros.

Mais informações: https://periodicos.uff.br/midiaecotidiano/announcement/view/45

 


Mediação

Qualis: B2

Dossiê/Tema: Um tributo a Martín-Barbero

Prazo: 12 de novembro de 2021

Titulação:  mestrando(a)s em coautoria com doutore(a)s

Objetivo: Falecido recentemente, o autor do livro Dos Meios às Mediações: Comunicação, Cultura e Hegemonia, referência da área, foi inovador ao criar uma teoria que, tendo como referência a América Latina, pensou a comunicação não mais a partir dos meios e da indústria, mas a partir das matrizes culturais que envolvem pessoas e identidades nos processos comunicacionais, fortalecendo a interlocução com os Estudos Culturais. O dossiê tem o propósito de refletir sobre a busca contemporânea de sintonia entre as diversas experiências digitais e os diferentes temas comunicacionais de nossa sociedade; sobre o fato comunicativo à luz da cultura como mediação fundamental das condições de recepção e interpretação de conteúdos (da educação, das artes, da religião, da ciência); sobre os deslocamentos de mediação cultural exigidos pelas novas maneiras de viver em um mundo incessantemente mutante. Esses são temas urgentes para a compreensão do momento em que vivemos, em que os usos digitais dos meios de comunicação tentam se consolidar em um ambiente complexo de crise sociocultural.

Mais informaçõeshttp://revista.fumec.br/index.php/mediacao/index

 


Mediação

Qualis: B2

Dossiê/Tema: Mídia e democracia

Prazo: 16 de novembro de 2021

Titulação:  mestrando(a)s em coautoria com doutore(a)s

Objetivo: Temos observado, na história recente do Brasil, ataques às liberdades políticas e aos direitos sociais conquistados por meio de muita luta da sociedade. Essa tendência autoritária, que vem sendo observada em várias partes do mundo, traz de volta à cena pública o fortalecimento do totalitarismo na sociedade contemporânea. No Brasil, foi publicada uma obra que tenta entender esse movimento. Organizada por Adauto Novaes, Ainda sob a tempestade reúne pensadores que analisam a ascensão da extrema direita e suas práticas antidemocráticas. Em um dos artigos da obra, Marilena Chauí atenta para o discurso de ódio presente nas práticas totalitárias, fazendo ganhar força o racismo, a homofobia e misoginia. A Revista Mediação, em sua 32ª. edição, acha importante discutir o tema do aumento das práticas totalitárias, já que elas afetam a sociedade como um todo, colocando em risco a democracia, a livre liberdade de expressão, fato observado nas coberturas da imprensa durante o ano de 2020. Segundo A Federação Nacional de Jornalistas (Fenaj), o ano de 2020 registrou 428 casos de ataques à liberdade de imprensa, sendo os mais comuns a descredibilização da imprensa (152), as censuras (85) e as agressões verbais/virtuais (76).

Mais informaçõeshttp://revista.fumec.br/index.php/mediacao/index

 


Brazilian Journalism Research 

Qualis: B1

Dossiê/Tema: Jornalismo e Empreendedorismo: entre modelos ideais e experiências práticas. Balanços e Perspectivas.

Prazo: 30 de novembro de 2021

Titulação: mestrando(a)s em coautoria com doutore(a)s ou doutorando(a)s

Objetivo: Esta edição especial da Brazilian Journalism Research questiona e documenta as ligações entre o empreendedorismo e o jornalismo, em práticas jornalísticas e modelos socioeconômicos emergentes. O crescente reconhecimento de valores e práticas empreendedoras no jornalismo ocorre em um cenário de mudanças interdependentes no jornalismo e nos meios, em contextos econômicos, tecnológicos, sociais, regulatórios, bem como culturais e ideológicos. Isso pode ser percebido não apenas na emergência de novos atores digitais e de novas configurações na paisagem midiática nacional e internacional, como também na redefinição de práticas jornalísticas, de estruturas organizacionais, de modos de produção, distribuição e sustentabilidade financeira. Assim, o empreendedorismo no jornalismo desenha novas relações entre atores, públicos e domínios de atividade (Hang e Van Weezel, 2005; Mitchelstein e Boczkowski, 2009; Lee-Wright et al., 2012; Mercier e Pignard-Cheynel, 2014; Carbasse, 2015; Grohmann et al., 2019). Para atualizar e sintetizar o conhecimento disponível sobre o assunto e abordar lacunas nas pesquisas existentes, as contribuições nesta edição temática podem tratar das áreas a seguir, mas não se limitam a elas:

Mais informações: https://bjr.sbpjor.org.br/bjr/announcement/view/29

 


Tríade: comunicação, cultura e mídia

Qualis: B1

Dossiê/Tema: Mídia e discurso: efeitos de sentido em circulação

Prazo: 30 de novembro de 2021

Titulação: mestrando(a)s em coautoria com doutorando(a)s ou doutore(a)s

Objetivo: Este tema visa constituir um espaço de interlocução entre perspectivas teóricas que pensam os efeitos de sentido produzidos e circulados pela mídia e sua relação com a cultura e a memória.

Mais informações: http://periodicos.uniso.br/ojs/index.php/triade/announcement/view/51

 


Observatório de Mídia – PUC-Goiás / Editora da PUC-Goiás

Qualis:

Dossiê/Tema: Linguagens da comunicação

Prazo: 30 de novembro de 2021

Titulação: mestrando(a)s em coautoria com doutore(a)s ou doutorando(a)s

Objetivo: Este livro pretende abrigar reflexões e pesquisas que abordem os espaços de contiguidade, interface e conflitualidade nos estudos de comunicação, tomando como cerne as transformações pelas quais a área passa e sua centralidade no mundo contemporâneo. Admite textos que abordem o protagonismo do campo científico da comunicação nos seus mais diferentes aspectos em um momento de intensa transformação. Nesse sentido, pretende tematizar todos os âmbitos das práticas comunicacionais: a linguagem, os espaços produtivos, a circulação de sentidos e as dinâmicas de recepção ao longo da história e no quadro presente.
Nesse sentido, sugerem-se as abordagens:

Os textos deverão observar as regras da ABNT, em fonte Times New Roman 12, espaçamento 1,5 (espaçamento simples nas citações em recuo, que devem ser feitas em citações com mais de 4 linhas), com limite máximo de 25 páginas, já incluídos eventuais quadros, figuras e anexos. Os autores devem enviar uma versão assinada, com referência à instituição de ensino a que estão ligados, e outra sem assinatura e sem referência à instituição (para avaliação às cegas de pareceristas), que levarão em consideração a consistência teórica do trabalho, a coerência metodológica, a relevância e inovação do tema e sua abordagem e o respeito à língua padrão. Além disso, os autores deverão enviar para o nosso e-mail (observatoriodemidiapucgoias@gmail.com) uma versão assinada, com referência à instituição de ensino a que estão ligados, e outra sem assinatura e sem referência à universidade. Isso para que possamos fazer uma avaliação às cegas do trabalho. Os critérios de avaliação serão: consistência teórica do trabalho, coerência metodológica, relevância e inovação do tema, além do respeito à norma padrão.

Mais informações: observatoriodemidiapucgoias@gmail.com

 


Revista Sur le journalisme – About Journalism – Sobre jornalismo (internacional)

Qualis: B5

Dossiê/Tema: Jornalistas e construção midiática dos problemas públicos

Prazo: 1 de dezembro de 2021

Titulação:

Objetivo:  Como se sabe, pelo menos desde Gusfield (1981), um fato social só se torna objeto de preocupação, de reivindicação e de debate – eventualmente, de políticas públicas – após um trabalho de conversão por parte de diversos operadores (Best, 2008; Neveu, 2015). Entre eles estão os jornalistas e, de uma forma mais ampla, as mídias, que contribuem para a construção de problemas públicos, apresentando os interlocutores envolvidos, as questões levantadas e as possíveis respostas em termos de ação pública. Num momento em que o jornalismo atravessa uma dupla crise, de rentabilidade e credibilidade (Poulet, 2011; Descôteaux, Brin, 2018; Benton, 2019), como entender seu papel na construção dos problemas públicos? Este dossiê temático busca discutir o trabalho, duplamente competitivo, de luta pela validação de problemas e propostas concorrentes e o seu “enquadramento”. Que lugar os jornalistas ocupam nesses processos? Que mudanças a nova ecologia da informação (uso intensivo de redes sociais digitais, multiplicação de produtores e compartilhadores de informação) (Rebillard, Smyrnaios, 2010) traz para a gênese dos problemas públicos? Convidamos para submissão de artigos em torno dessa temática: a relação das mídias de informação generalistas e de jornalistas com a construção de problemas públicos. 

Mais informações: http://surlejournalisme.com/rev

 


Debates

Qualis: B2

Dossiê/Tema: Poder na América Latina: uma homenagem ao professor Gláucio Soares

Prazo: 15 de dezembro de 2021

Titulação: mestrando(a)s em coautoria com doutore(a)s

Objetivo: O professor Gláucio Soares foi um dos grandes cientistas sociais que contribuiu enormemente com a Ciência Política latino-americana. Participou da criação da ALACIP (Associación Latinoamericana de Ciencia Política) e de outras associações nacionais de Ciência Política na América Latina, como a AMECIP (Associación Mexicana de Ciencia Política) e a ABCP (Associação Brasileira de Ciência Política). Além disso, ele foi um dos precursores das pesquisas sobre o poder, o comportamento político e da sociologia política na América Latina. Vale a pena recuperar as contribuições de Gláucio Soares nesse contexto em que é cada vez mais urgente compreender as atuais reconfigurações de forças políticas na América Latina, um contexto de aprofundamento da crise da democracia e da representação, de mudanças nos formatos de campanhas eleitorais e uso cada vez mais potente das novas mídias sociais e de recursos de desinformação política, ao mesmo tempo em que permanecem fragilidades na representação política, desafios à democracia nos países da região e problemas estruturais que impedem a cidadania plena, como a segurança pública e as desigualdades sociais. Assim, esse dossiê convida propostas dos temas mais próprios do comportamento político, mas também assinala aprofundar as análises mais interdisciplinares sobre o conhecimento político e das relações de poder, a partir das Ciências Sociais, em especial da Ciência Política. Considerando as atuais reconfigurações de forças políticas na América, em contexto de aprofundamento da crise da representação e uso cada vez mais potente das novas mídias sociais e de recursos de desinformação política, é fundamental aprofundar as análises sobre as eleições na América Latina, lançando diversos olhares sobre o comportamento político e a opinião pública nos contextos locais e nacionais na região na última década (2010 – 2020) e qualificando as teorias que embasam a análise eleitoral latino-americana. A presente proposta de dossiê temático para a Revista Debates busca agregar colaboradores de diversos países da América Latina, em profundo diálogo com duas grandes instituições que congregam pesquisadores da área: a Associación Latinoamericana de Ciencia Política – ALACIP, e a Associación Latinoamericana de Investigadores en Campañas Electorales – ALICE.

Mais informaçõeshttps://alacip.org/?p=41208 e https://seer.ufrgs.br/debates/about/editorialPolicies#custom-1

 


EPTIC

Qualis: B1

Dossiê/Tema: A economia política da informação, comunicação e cultura e o pensamento crítico nas margens: anti-colonialismo, imperialismo e luta de classes

Prazo: 10 de janeiro de 2022

Titulação: o/a primeiro/a autor/a com titulação mínima de mestre/a

Objetivo: A América Latina permanece sendo um palco bastante proeminente das contradições próprias ao capitalismo. Nessas duas primeiras décadas do século XXI, presenciou a ascensão de governos progressistas que animaram a pretensão de reparação de desigualdades sociais, ainda que numa combinação de políticas públicas com a manutenção do extrativismo. Tem visto também governos autoritários chegando ao poder com seu combo de políticas econômicas de austeridade e perspectivas sociais reacionárias. No conjunto dos conflitos, acompanhou a eclosão de protestos massivos, à esquerda e à direita, ora exaltando novas capacidades de organização, ora sob a acusação de interferências políticas estrangeiras, em um contexto mundial de crise e indefinições quanto à configuração das disputas imperialistas neste século XXI.

Mais informaçõeshttps://seer.ufs.br/index.php/eptic/announcement/view/342

 


Esferas

Qualis: B2

Dossiê/Tema: Democracia e cidadania nas ondas sonoras

Prazo: 31 de janeiro de 2022

Titulação: mestrando(a)s em coautoria com doutore(a)s

Objetivo: São bem-vindas pesquisas que versem sobre a interseccionalidade entre a comunicação radiofônica em seus diferentes aspectos e as relações com o poder e a cidadania. As estratégias comunicacionais na atualidade na defesa ou no ataque ao ambiente democrático são partes da promoção de debates que envolvam a diversidade de vozes e a pluralidade de ideias e pontos de vista em conjunto com a utilização de novas tecnologias ao longo do desenvolvimento das produções em áudio. Interessa ao dossiê selecionar trabalhos de autoras e autores que trabalhem os fundamentos do rádio expandido e hipermidiático, das emissoras em AM e FM, na internet ou das produções crescentes de podcasts no Brasil em reflexões acerca dos debates políticos e democráticos vivenciados na atualidade em um momento de pandemia do novo coronavírus. Também interessam abordagens relativas a apropriação da linguagem por meios tradicionais e alternativos, as saídas encontradas pela radiodifusão comunitária e a disseminação dos conteúdos radiofônicos ou em áudio nas redes sociais e seus atravessamentos no profissionalismo da comunicação nas perspectivas de raça, etnia, classe, gênero em suas especificidades na América Latina. As propostas de artigos nos seguintes eixos serão bem-vindas:

Mais informaçõeshttps://portalrevistas.ucb.br/index.php/esf/announcement/view/78

 


Esferas

Qualis: B2

Dossiê/Tema: Mito e comunicação digital

Prazo: 30 de abril de 2022

Titulação: mestrando(a)s em coautoria com doutore(a)s

Objetivo: Os mitos, em suas inúmeras versões, transformações, fragmentações e degradações que o tempo e a transmissão entre culturas provocaram, têm origem em um universo simbólico e pertencem a uma atmosfera mental em que se manifesta uma propensão para a formação de narrativas e de conjuntos vastos e coerentes de histórias. Hoje, é principalmente através dos meios de comunicação digitais que são produzidas, circulam e são recebidas as narrativas em seus novos formatos, caracterizados pelas performances audiovisuais em multiplataforma, de natureza muitas vezes transmidiática e de estruturas complexas, mas também pelas construções narrativas não ficcionais que se dão nas redes sociais. Na Comunicação em rede que caracteriza a cultura digital e no uso que dela fazem os diversos movimentos sociais, políticos e culturais, surgem mitificações do presente e do futuro expressas em tendências que, ao serem valorizadas ou reprimidas, sinalizam o futuro em germe no panorama social. Redes e movimentos sociais, culturais e políticos, por meio de memes, notícias falsas, minisséries, discursos publicitários, ações de captação de votos e de influência de moda ativam formas simbólicas, em muitos casos distópicas, que querem ser a narração de um novo significado da vida humana, daquilo que nos ameaça, e daquilo que pode, deve ou deveria acontecer. Observar e analisar a relação entre o poder narrativo do mito e as mitologias que dele advêm, mas também as tendências fracas ou fortes à mitificação, a partir da teorização do mito em suas várias vertentes (antropológica, narratológica, psicológica, filosófica, estética etc.) parece uma forma eficiente de compreender o mal-estar e os anseios da civilização contemporânea, com a finalidade última de lidarmos melhor com elas, uma vez que as relações sociais são coletivamente mediadas por tecnologias digitais. Assim, esta chamada abrange várias formas de abordar as relações entre mito, mitologias, pensamento mítico e comunicação digital. Serão bem-vindos artigos e ensaios visuais que versem sobre os seguintes tópicos:

Mais informaçõeshttps://portalrevistas.ucb.br/index.php/esf/announcement/view/79

 


Esferas

Qualis: B2

Dossiê/Tema: Comunicação e estudos biográficos

Prazo: 31 de agosto de 2022

Titulação: mestrando(a)s em coautoria com doutore(a)s

Objetivo: A Comunicação é uma das áreas que podem oferecer grande contribuição aos estudos das biografias e autobiografias. Seus pontos de contato com outras áreas, sua complexidade, proximidade com outros discursos e articulações narrativas lhe dão essa condição privilegiada. Neste sentido, essa chamada visa congregar os profissionais da Comunicação e de outras áreas que pesquisam (auto)biografias, memórias, histórias de vida, perfis biográficos, e visa ampliar o diálogo com especialistas nacionais e internacionais; desenvolver a interdisciplinaridade no campo comunicacional; estimular a divulgação e a informação sobre a pesquisa (auto)biográfica na área de Comunicação; promover a crítica e o pluralismo teórico e metodológico em suas diferentes produções. Além disso, nos interessam as seguintes abordagens:

Mais informaçõeshttps://portalrevistas.ucb.br/index.php/esf/announcement/view/80

 

 

——

Além das chamadas de dossiês, os periódicos científicos recebem trabalhos em fluxo contínuo. Para mais informações sobre o foco e escopo de cada revista, acesse os sites.